Sexta-feira, 1 de Dezembro de 2006

...

фото | Роман098 (Sergey Ryzhkov) | Из серии \"Акварели\" - Андриатика....

 

 


Segredo

Esta noite morri muitas vezes, à espera
de um sonho que viesse de repente
e às escuras dançasse com a minha alma
enquanto fosses tu a conduzir
o seu ritmo assombrado nas trevas do corpo,
toda a espiral das horas que se erguessem
no poço dos sentidos. Quem és tu,
promessa imaginária que me ensina
a decifrar as intenções do vento,
a música da chuva nas janelas
sob o frio de fevereiro? O amor
ofereceu-me o teu rosto absoluto,
projectou os teus olhos no meu céu
e segreda-me agora uma palavra:
o teu nome - essa última fala da última
estrela quase a morrer
pouco a pouco embebida no meu próprio sangue
e o meu sangue à procura do teu coração.

(Fernando Pinto do Amaral)


publicado por Lumife às 20:07

link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 29 de Outubro de 2006

...

AH! OS RELÓGIOS

Amigos, não consultem os relógios
quando um dia eu me for de vossas vidas
em seus fúteis problemas tão perdidas
que até parecem mais uns necrológios...

Porque o tempo é uma invenção da morte:
não o conhece a vida - a verdadeira -
em que basta um momento de poesia
para nos dar a eternidade inteira.

Inteira, sim, porque essa vida eterna
somente por si mesma é dividida:
não cabe, a cada qual, uma porção.

E os Anjos entreolham-se espantados
quando alguém - ao voltar a si da vida -
acaso lhes indaga que horas são...

Mario Quintana - A Cor do Invisível

publicado por Lumife às 23:35

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 29 de Março de 2006

...

 

 


 

 


 

 

 

Lua Adversa

TENHO FASES, como a lua
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua...
Perdição da minha vida!
Perdição da vida minha!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha.

Fases que vão e que vêm,
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.

E roda a melancolia
seu interminável fuso!
Não me encontro com ninguém
(tenho fases, como a lua...)
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua...
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu...

*

 

(Cecília Meireles)

publicado por Lumife às 02:08

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 14 de Março de 2006

Das utopias

 

Das utopias


Se as coisas são inatingíveis... ora!


não é motivo para não quere-las...


Que tristes os caminhos, se não fora


a magica presença das estrelas!

(Mário Quintana)

publicado por Lumife às 12:28

link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 18 de Dezembro de 2005

...

fnatal.jpg
publicado por Lumife às 21:34

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 8 de Outubro de 2005

Lisboa

Lissabon.jpgLissabon-Mário Elóy Pereira-(1900-1951)-Sec.XX-Ano:1930-31-Tipo:Óleo sobre tela



por tràs dos muros da cidade

no seu coração profundo de alicerces

de argilas e de sísmicos arroios - cresce uma voz

que sobe e fende a brandura das casas




da escrita dos enumeráveis povos quase

nada resta - deitas-te exausto na lâmina da lua

sem saberes que o tejo te corrói e te suprime

de todas as idades da europa




mais além - para os lados do corpo - permanece

a tosse dos cacilheiros os olhos revirados

dos mendigos - o tecto onde um navio

nos separa de um vácuo alimentado a soro




plátanos brancos recortam-se luminescentes no olhar

de quem nos olha contra um céu desesperado - jardim

de iris açucenas palmeiras cobertas de rocio e

a ponte que nos leva aos campos do sul - lisboa




lugar derradeiro do riso

que já não te pode salvar do cemitério dos prazeres




e morres

carregado de tristezas e de mistérios - morres

algures

sentado numa praceta de bairro - o olhar fixo

no inferno marítimo das aves




Al Berto

</font>
publicado por Lumife às 18:33

link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 21 de Agosto de 2005

A um Secreto Leitor



No silêncio da noite é que eu te falo



Como através dum ralo



De confissão.



Auscultadores impessoais e atentos,



Os teus ouvidos são



Ermos abertos para os meus tormentos.






Sem saber o teu nome e sem te ver



- Juiz que ninguém pode corromper -,



Murmuro-te os meus versos, os pecados,



Penitente e seguro



De que serás um búzio do futuro,



Se os poemas me forem perdoados.




(Miguel Torga)

publicado por Lumife às 19:14

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 27 de Julho de 2005

INTIMIDADE - Antero de Quental

Ricardo Sobral-Olhares.jpgFoto de Ricardo Sobral -(Olhares)




Quando, sorrindo, vais passando, e toda

Essa gente te mira cobiçosa,

Es bela - e se te não comparo a rosa,

E que a rosa, bem vês, passou de moda...



Anda-me as vezes a cabeça a roda,

Atras de ti também, flor caprichosa!

Nem pode haver, na multidão ruidosa,

Coisa mais linda, mais absurda e doida.



Mas é na intimidade e no segredo,

Quando tu coras e sorris a medo,

Que me apraz ver-te e que te adoro, flor!



E não te quero nunca tanto (ouve isto)

Como quando por ti, por mim, por Cristo, Juras

- mentindo - que me tens amor...



publicado por Lumife às 00:56

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 22 de Julho de 2005

Poema de Pedro Homem de Melo

f180181.jpgElsa Mota Gomes (1000 Images)



Noite. Fundura. A treva


E mais doce talvez...


E uma ânsia de nudez


Sacode os filhos de Eva.








Não a nudez apenas


Dos corpos sofredores


Mas a das almas plenas


De indecisos amores.








A voz do sangue grita


E a das almas responde!


Labareda infinita


Que nas sombras se esconde.








Mas quase sem ruído,


Na carne ao abandono


O hálito do sono


Desce como um vestido...





publicado por Lumife às 17:10

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 13 de Julho de 2005

Este Livro - José Luis Peixoto

36-az cel-L1.gif




este livro. passa um dedo pela página, sente o papel

como se sentisses a pele do meu corpo, o meu rosto.



este livro tem palavras. esquece as palavras por

momentos. o que temos para dizer não pode ser dito.



sente o peso deste livro. o peso da minha mão sobre

a tua. damos as mãos quando seguras este livro.



não me perguntes quem sou. não me perguntes nada.

eu não sei responder a todas as perguntas do mundo.



pousa os lábios sobre a página. pousa os lábios sobre

o papel. devagar, muito devagar. vamos beijar-nos.


publicado por Lumife às 23:11

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. ...

. ...

. ...

. Das utopias

. ...

.

.

.

.

.

.arquivos

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Março 2006

. Dezembro 2005

. Outubro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds