Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2005

As palavras que te envio são interditas - (Eugénio de Andrade)

seara.jpg



.



As palavras que te envio são interditas


até, meu amor, pelo halo das searas;


se alguma regressasse, nem já reconhecia


o teu nome nas suas curvas claras.


.


Dói-me esta água, este ar que se respira,


dói-me esta solidão de pedra escura,


estas mãos nocturnas onde aperto


os meus dias quebrados na cintura.


.


E a noite cresce apaixonadamente.


Nas suas margens nuas, desoladas,


cada homem tem apenas para dar


um horizonte de cidades bombardeadas.


publicado por Lumife às 20:24

link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Anónimo a 31 de Janeiro de 2006 às 16:02
Adoro o poema, o blog é muito belo, parabénssereia
</a>
(mailto:sereialuz@sapo.pt)

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. ...

. ...

. ...

. Das utopias

. ...

.

.

.

.

.

.arquivos

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Março 2006

. Dezembro 2005

. Outubro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds