Domingo, 19 de Junho de 2005

Conde de Monsaraz

Ao lermos a Musa Alentejana do Conde de Monsaraz são a terra e as gentes que se exprimem com determinação e sentido de hospitalidade. Podemos compreender, afinal, que o Alentejo se afirma como realidade viva, resistente e acolhedora.



Natural de Reguengos de Monsaraz, António de Macedo Papança (1852-1913), que viria a ser Conde de Monsaraz, filho de um abastado proprietário, foi Bacharel em leis, Deputado, Par do Reino, Sócio da Academia Real das Ciências, da Academia Brasileira de Letras, da Sociedade de Geografia de Lisboa e do Instituto de Coimbra, escritor e poeta.



Frequentou o ensino secundário na Escola Académica de Lisboa e, aos 17 anos, matriculou-se na Universidade de Coimbra, onde cursou a Faculdade de Direito, tomando grau de Bacharel aos 22 anos. Aquando estudante publicou um poema de forte pendor liberal e patriótico intitulado Avante, correspondendo a uma fase romântica da sua inspiração.



Tendo sofrido, ainda em Coimbra, a influência de João Penha, a sua poesia foi, em linhas gerais, moldada pela escola parnasiana, aliando uma grande preocupação formal com uma eloquência por vezes um tanto retórica, que atingiu momentos de certo dramatismo. A partir de dada altura, nota-se também uma outra influência, a de Cesário Verde, de quem, de resto foi amigo.



Num dos seus últimos livros, Musa Alentejana, transmitiu-nos toda a medida do seu talento: sensibilidade toda voltada para o exterior, sensual e optimista. Servindo-se de imagens naturalistas, descreveu minuciosamente a atmosfera própria da terra alentejana podendo integrar-se na corrente nacionalista do primeiro quartel do século XX, que, procurando fazer reviver o que designava como valores menos contaminados da nossa cultura, inspirou poetas como António Sardinha.



"É no fim da existência que ele se liberta das imposições canónicas do seu parnasianismo exigente e nos deixa na Musa Alentejana, não o testemunho duma sensibilidade, mas o hino de força, que é bem o pregão dum forte temperamento na posse de si mesmo", afirma exactamente Sardinha, no prefácio de Musa Alentejana.



De entre as suas obras destacam-se: Crepusculares, 1876; Catarina de Ataíde, 1880; Telas Históricas: I - O Grande Marquês, II - A Lenda do Jesuitismo, 1882; Obras de Macedo Papança, Conde de Monsaraz; Poesias, 1882-1891; Do último Romântico, Páginas Soltas [...], 1892; Benvinda (poema dramático em 5 actos), 1903; Musa Alentejana, l908; Lira de Outono, 1953; além de Obras (3 vols.), 1957-1958. Para o teatro traduziu diversas obras e colaborou em diversos jornais e revistas.



Ao entrar na vida política, filiou-se no Partido Progressista de Anselmo Braancamp e foi deputado em 1886. Em 1884, foi agraciado por El-Rei D. Luís com o título de Visconde de Monsaraz e em 1890, no começo do reinado de El-Rei D. Carlos, foi-lhe atribuído o título de Conde.



Tomou posse como Par do Reino a 17 de Março de 1898.



Em 1906 foi agraciado com a Comenda de S. Tiago de Espada e em 1907 com a Grã-Cruz de Afonso XII.



Após a proclamação da República, exilou-se com a Família em Paris. Regressou a Portugal na Primavera de 1913, tendo falecido a 17 de Julho, na sua casa de Lisboa e na véspera de completar sessenta e um anos.



Cultor da amizade juntou à sua volta personalidades de perfil e origem política muito diversos, como João de Deus Ramos, Luís de Almeida Braga, Laranjo Coelho, Augusto Casimiro ou João de Barros.



Em 1952 foi celebrado o centenário do seu nascimento, inaugurando-se lápidas alusivas em três casas onde residiu nas cidades de Lisboa, Coimbra e Figueira da Foz.



É, deste modo, de justiça a proposta do Conselho Directivo da Escola Secundária de Reguengos de Monsaraz que obteve a concordância da Câmara Municipal, no sentido da atribuição do nome de Conde de Monsaraz àquele estabelecimento de ensino.




A Escola Secundária de Reguengos de Monsaraz passa a denominar-se Escola Secundária Conde de Monsaraz, Reguengos de Monsaraz.

publicado por Lumife às 01:15

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. ...

. ...

. ...

. Das utopias

. ...

.

.

.

.

.

.arquivos

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Março 2006

. Dezembro 2005

. Outubro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds